Total de visualizações de página

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Google maps no país do Tiririca Por Gilson Schwartz


Artigo

10/02/2011
Em 2002, um ano após a formalização da Cidade do Conhecimento como projeto da USP após um período de “incubação” no Instituto de Estudos Avançados (IEA), o portal da Fundação Banco do Brasil “Cidadania-e.com” repercutia as principais características do projeto de digitalização emancipatória sob minha coordenação após seleção em concurso público do IEA em 1999: “(...) pelo menos três transformações prometem muito: maior interatividade, mais inteligência e renovação de valores coletivos e comunitários. Digo 'prometem' pois nenhuma tecnologia traz em si mesma a garantia de um resultado, nunca é um processo automático. Existe o potencial, mas a sua realização depende de fatores culturais, sociais e econômicos”.
Dez anos depois de seu lançamento, uma década depois do Livro Verde da Sociedade da Informação, o potencial permanece praticamente intocado. Os indicadores de ampliação do consumo de massa de hardware, software e conteúdos importados, no entanto, exibiram performance explosiva, colocando em primeiro plano as empresas start-up que nasceram como spin-offs de “cidades de conhecimento”, como Stanford.
Margaret Pugh O´Mara publicou, em 2005, um livro que deveria ser traduzido e adotado em todas as escolas de engenharia, economia e negócios, comunicações e humanidades assim como livro de cabeceira de reitores, lideranças políticas e intelectuais, hackers e militantes de Pontos de Cultura e infocentros: Cities of knowledge – cold war science and the search for the next Silicon Valley (Princeton University Press).
Em 2005, eu estava procurando o “next Silicon Valley” na localidade da Praia da Pipa, município de Tibau do Sul, Rio Grande do Norte, em convênio com o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) da Casa Civil da Presidência da República. Desde então, enredado nos tentáculos da máquina político-burocrática do Estado brasileiro, perdi mais tempo preenchendo formulários e concorrendo a editais do que fazendo trabalho de campo e laboratório propriamente dito. No entanto, o experimento foi um sucesso.
Escolhido pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) como um dos sete mais importantes projetos de inovação social e tecnológica em 2005, recebi da agência um convite para levar adiante os resultados que marcaram a extensão dos experimentos na Praia da Pipa para comunidades no interior do Pará (Município de Abaetetuba) e Mato Grosso (aldeia xavante no Município de Campinápolis).
Os ringtones xavante foram objeto de reportagem pela BBC de Londres, um simulador do celular com toques sagrados produzidos pelo índios da aldeia foi mostrado no portalGlobo.com e resolvemos, em face da insuperável barreira das compras por pregão (inviável comprar equipamento para um projeto-piloto, depois de todas as torturas burocráticas o leilão correu sem atrair interessados e o projeto foi suspenso por impossibilidade de equipar o telecentro da rede Pipa Sabe). A Finep recebeu de volta cerca de R$220 mil (era melhor devolver do que ser acusado de gastar o dinheiro sem gerar resultados). Felizmente, apesar da burocracia, surgiu no local a ONG EducaPipa, que assumiu o telecentro após vários ciclos de capacitação em gestão de mídias audiovisuais para o desenvolvimento local com a equipe de professores, estudantes, funcionários e pesquisadores da USP que ajudaram a instalar no polo turístico uma antena do programa Gesac (Programa de Inclusão Digital do Governo Federal).
A experiência burocrática atribulada, e em muitos momentos dolorosa, foi no entanto recompensada fartamente pela confirmação da hipótese de que a distribuição de hardware, software e knoware (ativos intangíveis) torna viável a criação de espaços de cidadania ou esferas públicas intensivas em serviços com valor agregado por exploração do conhecimento. Ou seja, ficou demonstrado que a Praia da Pipa é tão capaz de gerar tecnologia, conteúdo e valor quanto Stanford.
O Nordeste, entretanto, não está na encruzilhada da Guerra Fria nem repousam suas praias sobre volumes monumentais de petróleo, ouro ou bauxita. Enquanto os missionários da Cidade do Conhecimento da USP dedicavam-se a projetos-piloto no Rio Grande do Norte, no Pará e no Mato Grosso, o investimento público e privado pós-crise da bolha pontocom (1998) na região do Vale do Silício voltava a acelerar, com profusão de “anjos de projetos” (business angels, em inglês), VCs (venture capitalists) e despesas militares e industriais ainda mais colossais após o 11 de Setembro, turbinando empresas como Google, Orkut, Twitter, Facebook e outros “big brothers” com rápida expansão em todo o planeta – quase como ponta de lança de uma nova sociodemocracia digital.
As explosões sociais no Oriente Médio (Tunísia, Egito, Jordânia) e os problemas do Google na China, no entanto, puseram a nu (para quem se dispõe a ler mais que o WikiLeaks) a nova frente em que se trava uma ciberguerra de propaganda, educação e tecnologias de informação e comunicação.
Nesse contexto, os investimentos dos governos brasileiros (federal, estaduais e municipais) atravessaram a primeira década depois da proclamação da “sociedade do conhecimento” sem atingir os níveis e a qualidade exigidos para enfrentar e competir, em escala global, tanto nos aspectos mais luminosos e emancipatórios da arte e da cultura digitais quanto nas frentes menos evidentes da “crackolândia” virtual contemporânea.
Os dois experimentos críticos realizados pela equipe da Cidade do Conhecimento entre 2003 e 2005 foram a estruturação de uma cadeia produtiva de conteúdo digital para telefones celulares e a criação de uma moeda voltada para o desenvolvimento local, ou seja, uma combinação de mobile learning e mobile payments que continua atual.
Em 2009, esse projeto foi retomado a convite do Banco Central do Brasil, que realizava o seu I Fórum de Inclusão Financeira. No mesmo ano, o projeto “Moedas Criativas” recebeu dois prêmios do Ministério da Cultura: Interações Estéticas – Residências Artísticas em Pontos de Cultura (Projetos de Abrangência Nacional) e Cultura e Pensamento, para organização de ciclos de debates. Foi também em 2009 que a primeira start-up a surgir como spin-off da Cidade do Conhecimento veio à luz, conquistando o Prime – Primeira Empresa Inovadora, programa inédito da Finep que viabilizou o lançamento no mercado do videogame Conflitos Globais, que em 2011 começa a ser distribuído em escolas públicas e privadas.
Dez anos depois da criação da Cidade do Conhecimento na USP, o Brasil e os nossos projetos de cidades criativas, do conhecimento ou qualquer outro nome da moda que se prefira adotar, não chegam a ser gota d´água no universo digital da economia da informação e das novas mídias globais. Nossas sociedades continuam funcionando como “currais eletrônicos” (para usar a clássica expressão de Octavio Ianni), sufocadas entre a burocracia sem projeto, e a inovação sem rumo nem condições, seja de competir, seja de cooperar com o setor privado, o governo e a sociedade civil.
Retomo a entrevista de 2002: “A rede em si não garante a democracia. A máfia opera em rede. Os canais abertos de televisão operam em rede. As colônias étnicas são redes fortíssimas. Nesses casos a 'coesão' e a 'solidariedade' parecem muito mais próximas de mecanismos de repressão, autodefesa e obscurantismo do que propriamente oportunidades de democratização e universalização de valores. Aliás, nada cresceu mais com a internet, sobretudo entre os jovens, do que imagens como a de 'tribo'. No lugar da 'aldeia global' prevista por McLuhan, vemos principalmente aldeias tribais, particularistas, sectárias e apenas superficialmente globais. (...) a democratização é um processo histórico de longo prazo, com momentos terríveis de retrocesso em todo o mundo. Ainda assim, acho que se observarmos a história contemporânea, felizmente a democracia ainda é o 'menos ruim' dos regimes. Ela depende muito da inteligência coletiva, portanto há uma espécie de círculo vicioso: a democracia avança apenas quando a inteligência se democratiza, mas essa difusão da inteligência e do conhecimento é possível apenas onde há mais democracia. Entre o ovo e a galinha, aposto que a humanidade ainda consegue evoluir em seu próprio benefício”.
Gilson Schwartz é professor de economia na Escola de Comunicações e Artes da USP, membro da Comissão do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais (PPMPA) e líder do grupo de pesquisa “Cidade do Conhecimento. É também coordenador no Brasil do Consórcio Pro-Ideal. Netse momento, prepara o lançamento do projeto “Moedas Criativas”, com patrocínio do BNDEe do Ministério da Cultura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog

Arquivo do blog