Total de visualizações de página

domingo, 7 de novembro de 2010

Verônica Mautner mostra o ventaval de palavras, ou seja, a oralidade...

Leia este texto, é interessante


OUTRAS IDEIAS

DE TÃO USADOS, cacoetes de linguagem bem que poderiam estar desgastados. Não estão. Para mim, psicanalista, não há expressões destituídas de significados. Todas remetem a sensações, sentimentos, memórias. Permito-me brincar um pouco e buscar nelas algum sentido. 

Ah/Veja bem /Não, é que/ Sabe o que acontece?/ Acontece que/Na verdade/De fato/Enfim/Resumindo/Como ser humano/No sentido de/A nível de/Diga/Em relação/ Quer dizer/Bom/De certa forma/Etc. etc./Tal e tal... 

Trata-se aqui de "força de expressão" que enfraquece o enunciado. É comum ouvirmos pedaços de conversas assim: "Então o que acontece... Acontece que...Na verdade, etc. etc.". Ninguém estranha esse palavreado, quando falado. Escrito é que fica esquisito. A oralidade, tenho impressão, está em crise. Todos fazem de conta que têm o que dizer. O valor das pessoas associa-se mais ao quanto têm a dizer do que ao que têm a dizer. Algumas expressões falam de classe ou melhor, da posição da pessoa no mundo. Outras são só enfeite. Quem se sente por baixo e teme ser corrigido defende-se de eventual crítica já começando a frase com um "não, é que...". Aí confessa seu sentimento de insegurança diante do interlocutor. 

O "sabe o que acontece?" parece tentativa de apresentar-se como o mais bem informado. Já o "na verdade" indica esforço de valorizar o que se diz. "Resumindo" significa que quero repetir o que já foi dito, para que fique "bem" claro. Muitas expressões são só vento para encher linguiça. 

"Enfim", "então", "vamos lá", "quem sabe", "sendo assim" atendem à necessidade de ter a palavra por mais tempo e expressar ideias ainda não muito definidas na cabeça de quem fala. 

Dizer apenas "eu gostei" pode ser pouco para expressar o que se achou de um filme. Fica mais elegante dizer "enfim, na verdade, etc. etc.". 

"Tal e tal" e "Etc. etc." são esforços para sugerir que se sabe mais do que se diz. É preciso muita autoestima para abdicar de tempo de falar. 

Dizem que vivemos na época da imagem. Discordo. A imagem declina e a oralidade vai ocupando seu espaço. Hoje não basta ser visto: é preciso ser ouvido. 

É antiga a expressão "encher linguiça" para a prova ou o trabalho de escola. Contudo, quando se escreve, os termos usados são menos gerais. A palavra falada suporta tudo, muito mais recheio do que o texto escrito. 

Não estou criticando esse vendaval de palavras desnecessárias que aparecem no nosso cotidiano. Só quero chamar atenção para esse fenômeno. Para quê? À toa. Não creio que vá desaparecer facilmente. É o mais recente símbolo de status.
http://annaveronicamautner.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog

Arquivo do blog